. : Notícias
busca por notícias/mensagens
 
 
 
 

A constância do sábio



Divaldo Pereira Franco

(Conduta Estóica perante as ofensas e contumélias1)

Dedicatória

Dedico estas reflexões a Divaldo Franco, alguém que considero homem sábio ou bem próximo da sabedoria, desejando que continue enfrentando ofensas e contumélias com ânimo, energia, paciência e grandeza d’alma, nesse exercício que já dura mais de sessenta anos e que tem sido um exemplo para muitos e para mim, que não consigo responder de modo tão estóico às ofensas e contumélias, ainda.

Viver é difícil, dizem muitos. Conviver é muito, muito mais difícil é o que quase todos dizemos. Por qual razão assim nos expressamos já que conviver, compartilhar, estar com o outro é algo natural e necessário à própria vida em sociedade? Os outros nos afetam, pois nos despertam carinho, afeição, sentimentos de integração e pertença, ternura, confiança, amor. Conviver com os outros, porém, nos expõe a sentimentos de repulsa ou indiferença, raiva, mágoa, ciúme, inveja... expressões dos seres espirituais imaturos que somos, carregando a dupla carga de egoísmo e orgulho que ainda nos caracteriza a intimidade do ser.

Em verdade, porém, nascemos para amar e sermos amados, como nos diz Emmanuel, e essa inclinação natural nos faz buscar a aceitação e o afeto do outro, nos diversos grupos sociais onde transitamos.

A difícil arte de viver convivendo se tornou, ao longo da história, um tema quase sempre presente nas discussões de escritores, pensadores e estudiosos da conduta humana. Muitas contribuições sérias podemos encontrar em culturas, religiões e correntes filosóficas diversas, haja vista que a dificuldade relativa à convivência humana se estabelece nas relações familiares, de vizinhança, de associações, de trabalho, enfim, em todos os grupos sociais, inclusive naqueles que se integram sob o denominador comum dos ideais religiosos.

No campo do sagrado, foco do nosso interesse, a difícil convivência ganha maior dimensão problemática em virtude da “ordem moral” definidora das condutas, consoante o código ético das diversas religiões. No que se refere ao Cristianismo, por exemplo, temos claras as orientações de Jesus em todo Seu Evangelho e Seu exemplo, quanto aos valores que deverão permear a nossa conduta perante o outro, tendo como regra áurea: Fazer aos outros o que desejamos que os outros nos façam. Algumas outras orientações mais específicas também encontramos na palavra do Senhor quando nos afirma:

“Fazei o bem aos que vos odeiam; orai pelos que vos perseguem e caluniam; perdoai não sete vezes mas até setenta vezes sete vezes; reconcilia-te com teu adversário enquanto estás a caminho com ele”... dentre outras.

Gostaríamos, neste artigo, porém, de nos determos sobre a contribuição que recolhemos nesses últimos meses, da leitura que fizemos em torno do texto da filosofia estóica : A Constância do Sábio, de Sêneca, nascido na Espanha e criado desde o ano 4 a.C. em Roma.

A vida desse filósofo possui ingredientes intrigantes: foi professor do infeliz Nero e teve um destino trágico, sendo condenado pelo Imperador a suicidar-se na frente de sua família e amigos, por suspeita de conspiração.

O ESTOICISMO

O Estoicismo é uma escola filosófica de origem grega, fundada por volta do ano 300 a.C., por Zenão de Cício. O Estoicismo vê a filosofia constituída de três partes interligadas: a física, a lógica e a ética. É a sua ética, porém, que mais influenciará o pensamento ocidental e o Cristianismo dos primeiros séculos e até hoje muitos de seus fundamentos estão presentes na filosofia contemporânea.

A idéia de uma razão divina a governar o mundo, a visão do homem como um ser racional e cidadão do mundo além da condenação da exaltação das emoções são alguns dos princípios estóicos. Defendiam ainda a igualdade entre os homens e criam que são as paixões as produtoras de males como ambição, vaidade, crueldade, por exemplo.

O que mais se destacou no campo ético da filosofia estóica foi o ideal de ATARAXIA, a imperturbabilidade, a ser perseguida pelo homem que busca ser sábio. Ser sábio, nessa direção, é ser feliz e, para ser sábio, o homem precisa se harmonizar com a natureza, suportando os sofrimentos da existência, dominando suas paixões até alcançar a vida contemplativa onde não mais sofrerá diante dos acontecimentos naturais na ordem das coisas, atingindo a serenidade.

SÊNECA E A CONSTÂNCIA DO SÁBIO

Sigamos com a reflexão em torno do texto de Sêneca, A CONSTÂNCIA DO SÁBIO, buscando suas contribuições sobre a arte de enfrentar problemas nos relacionamentos humanos, especialmente as injúrias ou ofensas graves e as contumélias, ou insultos leves.

Comecemos pela lúcida assertiva abaixo:

“Não há nada, na Natureza, de tão sacro que não seja atingido por algum desrespeito”. (Sêneca: 2007, p. 25)

Sêneca nos afirma, em seu distante tempo histórico, que nem as coisas divinas estão fora do desejo de alguém intentar contra sua magnitude, fato ainda e tão mais presente nos dias de hoje, quer através da negação de Deus, do sectarismo religioso e até de posturas belicosas e destrutivas, em nome do sagrado.

O homem que busca ser virtuoso, claro, deve estar consciente de que está infinitamente mais exposto aos ataques daqueles que querem alvejá-lo, apenas porque movimenta-se para a luz, só por isso.

Para esse enfrentamento, Sêneca identifica como importante a atitude de reação perante injúrias e insultos como um exercício de paciência, ânimo e capacidade de armazenar energia para prosseguir e não se deixar abater.

No capítulo II, o autor busca distinguir entre injúria ou ofensa e a simples contumélia, ou seja, o insulto provocativo de pouca monta ou importância.

A injúria, esclarece, é mais grave do que o insulto, pois busca intencionalmente fazer o mal a alguém, diminuir esse alguém. Se esse alguém já se tornou sábio, no entanto, olhará o fato sem se alterar, convicto de que nada interior perde pois, se já tem a virtude, essa injúria não lhe atingirá em sua intimidade e profundidade. Ilustrando a idéia exposta Sêneca lembra o exemplo do filósofo Estilpão ao responder a Demétrio, conquistador de sua cidade, Megara, se havia sido espoliado de alguma coisa, ao dizer: “NADA PERDI. TUDO O QUE É MEU ESTÁ COMIGO”. Sábia resposta para quem tinha sido espoliado nas coisas materiais, mas que conservava, incólume, suas conquistas, seu verdadeiro tesouro: idéias, valores, virtudes.

Sêneca apresenta a afirmativa síntese de Estilpão, nos termos seguintes: “EU, DE MINHA PARTE, APESAR DE TUDO TER PERDIDO, MANTENHO-ME NA POSSE PLENA DO QUE ME PERTENCE.”

Continuando a apresentar seus argumentos a partir do exemplo de Estilpão, o autor considera que a injúria pode acontecer sempre, pois é fruto da ação deliberada de alguém, mas não significa que tenha ressonância junto àquele que é sábio, capaz de suportar golpes tais como: “acusador contratado, pedras caluniosas, poderosos irritados e roubalheiras...”(idem, p. 43).

Somos humanos e, por essa razão, Sêneca entende que ninguém recebe uma injúria sem alguma perturbação, ainda que rápida, mas se esse alguém já é um sábio, mantém-se firme, bem disposto e bem-humorado, paciente e com grandeza de alma.

A partir do capítulo VII, o filósofo estóico analisará a contumélia, ou insulto, uma ofensa menor, mais queixume do que maldade ou vingança.

Os melindres e os desejos de destaques não atendidos, quando interiorizados, tornam algumas pessoas alteradas emocionalmente e que passam a se apresentar como indivíduos soberbos e insolentes.

CONTUMÉLIA é palavra derivada do vocábulo “desprezo”, diz o autor em destaque. Os indivíduos que agem movidos por essa emoção são denominados de “adultos criançolas”, o que hoje chamaríamos de indivíduos imaturos, que mesmo se encontrando na fase adulta fisiológica, mantêm fortes traços comportamentais infantilizados.

O sábio reage a esses como quem enfrenta crianças que brincam de modo desagradável, exigindo corrigenda. A reação do sábio é como a do médico diante do paciente que manifesta sua fraqueza e criancice. O médico é seguro e o sábio reage com segurança às contumélias diversas, às grosserias, tentativas de corrupção e até bofetadas, por identificar a infantilização de seus autores.

Nos capítulos seguintes, Sêneca comenta a fragilidade do enlouquecido Imperador Calígula ao enfrentar e fomentar as contumélias e destaca as reações sábias dos gregos Sócrates e Antístenes.

Finalmente, com grande sabedoria, o filósofo estóico recomenda que não nos fixemos nessas pequeninas coisas sob pena de comprometermos nossa tarefa de realizar as coisas necessárias à aquisição da sabedoria, pois não há quem não esteja apto a desferir a contumélia, já que ela está ao alcance de todos.

De modo brilhante, conclui que há o aspirante a sábio e o verdadeiro sábio diante das injúrias e insultos. O primeiro é o homem, o segundo é o sábio. O primeiro luta, o segundo já desfruta da vitória.

O recado final de Sêneca fica para meditação de todos nós:

“CUIDA ENTÃO DE DEFENDER O LUGAR QUE A NATUREZA TE OUTORGOU.”

Que lugar é esse? A sabedoria.

PALAVRAS FINAIS

Nesses tumultuados dias onde em nossa comunidade as acusações, ofensas e contumélias se apresentam entre nós, somos todos chamados, absolutamente todos, a meditar em torno das nossas atitudes e sentimentos nos relacionamentos que travamos no interior das Casas e do próprio Movimento como um todo. As recomendações do Evangelho à luz da Doutrina Espírita aí estão a nos esclarecer quanto ao melhor caminho a seguir nos difíceis e intrincados processos de convivência social, naturalmente reveladora de conflitos, porque humana. Evidente que devemos, por outro lado, desenvolver estratégias e criar espaços de discussão em torno de questões sobre as quais precisamos de esclarecimento ou possuímos pensamento divergente. Isso, porém, é responsabilidade de todos, a ser construída coletiva, fraternal e sabiamente, como diriam os estóicos.

Bibliografia:
JAPIASSÚ, H. & MARCONDES, D. Dicionário Básico de Filosofia. 3ª ed. RJ: Jorge Zahar ed., 1996.
SÊNECA. A Constância do Sábio. SP: ed. Escala , 2007.

1 Contumélias: Expressão usada por Sêneca para indicar os insultos leves, menos graves do que as injúrias

Sandra Borba Pereira

Fonte: Jornal Mundo Espírita - Dezembro/2007

 
     
 
 
 
. Últimas Notícias

 
 
 
Documento sem título