. : Notícias
busca por notícias/mensagens
 
 
 
 

Conferência em Medellin, Colômbia - Diana Burgos



Na cidade da eterna primavera, Medellin, teve início, no dia 2 de junho, o XVI Congresso Espírita Colombiano, que terá continuidade de 3 a 6, e no qual se homenageiam os 150 anos de O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina segundo o Espiritismo, tendo como tema central, A Lei de Causa e Efeito.

Após os discursos do presidente da Comissão Organizadora, Carlos Castaño e do presidente da CONFECOL, Jorge Berrio, foi apresentado um programa musical pelo grupo Sello Azul, que interpretou composições de Beethoven e Schubert.

Realizada no Centro de Convenções Plaza Mayor, contou com cerca de mil pessoas a conferência inaugural, com Divaldo Pereira Franco, o Semeador de Estrelas, abordando A vida depois da vida.

Divaldo iniciou citando Cícero que escreveu, com propriedade, que a História é a pedra de toque que desgasta o erro e faz brilhar a verdade.

Dezesseis séculos depois, Lord Bacon, representando a cultura da época, afirmava que uma filosofia superficial conduz a mente humana ao materialismo, à negação, enquanto uma filosofia profunda induz a cultura humana à verdadeira religião.

O pensamento de Lord Bacon chegava no começo do século XVI, quando houve a ruptura da religião com a ciência, quando não se estava mais diante da fé cega, mas de feitos notáveis.

Divaldo prosseguiu, num bosquejo pela História da Humanidade, destacando os feitos mais relevantes dos pensadores e correntes filosóficas e as diferentes conquistas da ciência, passando pelo materialismo dialético, científico e histórico, com citação da obra de Karl Marx.

Na sequência, enfocou Sigmund Freud, com sua doutrina materialista sobre a sexualidade, as posturas de Eros e Tanatos; fez especial menção à teoria dos arquétipos de Carl Gustav Jung, Ego e Self, dizendo que trazemos para a existência atual, as marcas que caracterizam a sombra que nos acompanha.

À medida que o ser se esclarece, conhece a si mesmo, molda-se ao Evangelho de Jesus, que leciona que o reino dos céus está dentro de nós, vai transformando a sombra, marchando na direção da plenitude, o estado numinoso.

O Self não morre com a morte, não desaparece com a desagregação celular.

A psicologia analítica de Jung permite que, posteriormente, se descubra a Psicologia transcendental.

Divaldo apresentou o resultado da Revolução Francesa de 1792, que estabeleceu os direitos humanos e, de imediato, os direitos da mulher.

A Humanidade entra e sai do materialismo.

Em 1905, Albert Einstein propõe a Teoria da Relatividade. Em 2015, teve-se conhecimento de uma carta dele enviada a sua filha, onde faz uma revelação ainda mais grandiosa. Afirma ter descoberto algo que transcende, que além das quatro leis conhecidas pelo mundo: a gravidade, o eletromagnetismo, a física quântica forte, a física quântica fraca, há uma lei mais poderosa, a Lei de Amor.

No dia 25 de junho de 2000, na Casa Branca, Francis Collins apresentou a decodificação do genoma humano. Nessa oportunidade, o presidente Clinton, falando para o mundo, afirmou que a construção da criatura humana, de acordo com a genética, era uma obra de Deus.

Citou a Experiência de Quase Morte de Eben Alexander e dos relatos do seu livro Uma prova do céu: A jornada de um neurocirurgião à vida após a morte.

Referiu-se ao geneticista Dean Hamer que, através de suas investigações, sustenta que há, na criatura humana, o gene de Deus.

Reportou-se ao nascimento de Hippolyte Léon Denizard Rivail, em 1804, em Lyon, França, que publicou em Paris o mais notável compêndio de filosofia humana, com 1019 questões, na sua segunda edição. Nele, são abordados os enigmas do pensamento, desde a antropologia à ética-moral; aqueles de natureza sociológica ao pensamento ético, de consequências religiosas.

Allan Kardec é um cientista que prova, à luz da ciência, da filosofia e da ética-moral, que há vida depois da vida.

As extraordinárias investigações realizadas na França, Inglaterra, Alemanha, nos Países Baixos, Itália e, posteriormente, no Novo Mundo, confirmam tudo o que se encontra nas obras básicas da Doutrina Espírita, e que a define como a ciência que estuda a natureza, a origem e o destino dos Espíritos e as comunicações entre o mundo corporal e o mundo espiritual.

É uma doutrina nova embora os fenômenos sejam antigos.

Prosseguem as experiências de laboratório com os psiquistas do século XIX, a metapsíquica de Charles Richet, a parapsicologia dos anos 30, dos notáveis psicólogos investigadores, a psicossomática, a psicobiofísica dos anos 50 e, posteriormente, a investigação da natureza animal e material para chegar  ao Evangelho de Jesus. Jesus, modelo e guia da Humanidade.

Jesus é o mais notável homem da História da Humanidade. Ernest Renan dizia que Jesus era tão grande que dividiu a História, antes e depois dEle.

Renan declarou, na Escola de Ciências de Paris, que Jesus é um ser incomparável porque está acima de todas as paixões humanas.

Jesus é o primeiro a falar de amor, em sentido profundo, na História da Humanidade.

A Organização Mundial de Saúde define a saúde como um estado de equilíbrio emocional, de normalidade orgânica, de discernimento psíquico e espiritual.

Acrescenta o estado espiritual para dizer que a vida não termina no momento em que o cérebro deixa de funcionar, apresentando-se o fenômeno biológico da morte.

Divaldo diz que o Espiritismo conseguiu o mais notável fenômeno da filosofia, matando a morte. Demonstra, com seu próprio exemplo, quando, aos quatro anos, se comunicou com sua avó desencarnada.

Há 78 anos vem divulgando esta Doutrina da verdade, tendo-o feito em sessenta e oito países, em mais de duas mil e quinhentas cidades, recebendo mensagens em idiomas que não domina, como árabe, alemão, escrevendo em inglês e francês especular. Como explicar isso senão com a vida que continua depois desta vida?

O Espiritismo matou a tristeza, a agonia e nos trouxe a Boa Nova prometida por Jesus: Eu vou mas não vos deixarei órfãos. Enviarei o Espírito de Verdade, que repetirá o que vos tenho dito, vos ensinará coisas novas e ficará para sempre convosco.

Concluiu com a narrativa de uma experiência vivida na África, na qual, abraçando a um garçom, por orientação espiritual, lhe salva a vida porque ele, portador de um câncer, sem possibilidade de tratamento, tinha planejado se suicidar.

Cumpre-se, assim, a missão do Espiritismo de conviver com os que sofrem, repartir a alegria, brindar a certeza da imortalidade da alma, explicar a razão da miséria de hoje, como resultado das más ações do ontem, pois que somos construtores do nosso destino. Deus não castiga. Deus é amor e o amor não castiga. O amor ama e ama sempre! 

Diana Burgos
Tradução adaptada de
 Maria Helena Marcon
Em 6.6.2016.

 
     
 
 
 
. Últimas Notícias

 
 
 
Documento sem título