. : Notícias
busca por notícias/mensagens
 
 
 
 

Movimento Você e a Paz em Camaçari, Bahia




Na quinta-feira, 10 de setembro [2015], o orador espírita Divaldo Franco proferiu palestra alusiva ao Movimento Você e a Paz, na Praça da Simpatia, na cidade de Camaçari – Bahia.

O público expressivo – mais de duas mil pessoas – foi premiado na abertura da atividade com uma bela apresentação da orquestra Pró-Sinfônica de Camaçari. Durante mais de trinta minutos, sob a regência do maestro Bira Marques, o concerto patrocinado pela Prefeitura da cidade, através das Secretarias de Educação e da Cultura, apresentou um belo repertório de músicas clássicas e alguns números de Tom Jobim.

Contando com a presença de representantes da Igreja Católica, da Igreja Messiânica, da Igreja Evangélica e das religiões de matrizes africanas, além do Prefeito e do Presidente da Câmara de vereadores, após a fala desses, Divaldo Franco se dirigiu ao público lembrando o Mahatma Gandhi que elucidou, oportunamente: A paz não tem caminho, a paz é o caminho.

Logo a seguir, discorrendo a respeito do profundo significado do perdão para a conquista da paz, narrou a história da jovem armena que teve seus pais mortos e sua irmã, com doze anos de idade, jogada aos soldados que a violentaram, matando-a, enquanto ela, com quinze anos, foi transformada em escrava sexual.

Tempos depois conseguiu fugir da fortaleza na qual era mantida prisioneira. Diplomou-se como enfermeira. Trabalhando em um hospital público em Istambul, por volta do ano de 1926, foi chamada para cuidar de um paciente, militar, que se encontrava com uma dermatose, em estado deplorável de infecções generalizadas. Dedicada e eficiente, salvou-lhe a vida, restabelecendo-lhe a saúde. Após seis meses, o enfermo estava deixando o hospital e foi agradecer ao diretor. Esse lhe disse que a gratidão deveria ser manifestada àquela enfermeira que o havia atendido naquele período.

Perguntando se ela o havia reconhecido, e como a resposta foi positiva e o reconhecimento tendo sido desde o início, voltou a perguntar por que não o havia matado, ou simplesmente deixado morrer, corroído pelas úlceras.

Se o fizesse, respondeu, se igualaria ao algoz, ao infeliz, e sua consciência a puniria severamente. Disse-lhe: A palavra do evangelho de Jesus fez-me um grande bem. Eu me tornei cristã, sou católica. Na minha doutrina existe o perdão. Enquanto eu o odiei, fui infeliz. Então, resolvi perdoá-lo e, ao invés de chamá-lo Sua Excelência, aperto sua mão e lhe chamo de irmão.

Assim, Divaldo lançou para o público a pergunta: Se fosse você, perdoaria?

Ao final, após declamar o Poema da Gratidão, do Espírito Amélia Rodrigues, todos o acompanharam cantando o hino do Movimento Você e a Paz, de autoria de Nando Cordel, Paz pela Paz.

  João Araújo.
Em 14.9.2015.

 
     
 
 
 
. Últimas Notícias

 
 
 
Documento sem título