. : Notícias
busca por notícias/mensagens
 
 
 
 

Ampliando os horizontes espirituais da Terra - Parte II


 
No dia 20, pela manhã, rumamos a Bonn, hospedando-nos no mesmo local em que foi realizado, a partir do dia seguinte, o seminário já pela sétima vez.
 
Às 16h, rumamos a Bottrop, distrito de Essen, onde foi realizada a conferência sob os auspícios do psicoterapeuta Kai Kreutzfeldr, conseguindo reunir 32 pessoas, a maioria das quais eram os gaúchos que nos acompanharam, assim como os parisienses.
 
A abordagem do tema, que era Transtornos psiquiátricos e obsessivos, transcorreu de maneira brilhante e, após 80 minutos de conferência, houve um breve intervalo e foram realizadas as já habituais perguntas, muito bem respondidas.
 
Em razão do trânsito muito pesado, o percurso de somente 108 quilômetros tomou-nos na ida, 2h30.
 
No dia 21, iniciou-se, pela manhã, o seminário cujo tema fascinante foi Devemos amar ao próximo como a nós mesmos e, graças ao excelente trabalho de Teresa Warren e do grupo de Estudos Espíritas Allan Kardec  de Dusseldorf e ao notável auxílio de Eric e esposa, Prof.ª Cristina, fizeram-se presentes 188 pessoas, 140 das quais hospedadas no próprio local, o Andreas-Hermes-Akademie.
 
Estiveram pessoas da França, da Espanha, da Bélgica, de Luxemburgo, de Portugal, da Suíça, da Áustria, do Brasil, da Holanda, e naturalmente da Alemanha, sendo de caráter internacional.
 
Às 9h30 da manhã, iniciou-se o labor através da arte, com Flávio Benedetto, e um jovem tenor cantando a Ave Maria de Gounod, enquanto Flávia Virgens acompanhou- ao piano, tocando depois excelente música.
 
Teresa e Eric passaram às explicações sobre o seminário, fazendo as apresentações, respectivamente em português e em alemão, de Edith Burkhard e Divaldo, a todos sensibilizando.
 
De imediato, fomos convidado pelos organizadores a proferir a prece de abertura, após a qual a palavra foi passada a Divaldo que realizou uma brilhante atividade, que superou as anteriores, na sua abordagem do tema, falando do amor sob o ponto de vista freudiano, junguiano, de Buda, de Jesus, de Allan Kardec e explicando que o seminário teria um objetivo psicoterapêutico, aquele que resultaria das mudanças que se deveriam operar nos presentes.
 
Oitenta minutos depois houve uma pausa, e logo retornamos, ensejando a Divaldo uma apresentação em Power-point de um PPS intitulado O que é o amor,  resultado da pesquisa de educadores e de psicólogos com crianças entre 04 e 08 anos, cada qual dando uma extraordinária definição do amor, que Divaldo desdobrou em explicações de grande oportunidades e ricas de ensinamentos preciosos.
 
Logo após, veio a pausa para o almoço e, depois, Flávio tocou bela página de Chopin, facultando a Divaldo prosseguir em fantásticas propostas iluminativas sobre o amor, havendo o intervalo e concluindo a tarde com o estudo profundo do Decálogo de Logoterapia, apresentado pela Dra. Elizabeth Lukas, a notável discípula de Viktor Frankl.
 
Encerrado o trabalho, às 17h45, houve o jantar e às 19h30, iniciou-se a etapa final do dia.
 
Flávio tocou, ao piano, A sonata ao luar, de Beethoven, comovendo o auditório e preparando-o para a excelente história real sobre o amor e o divórcio narrada pelo nosso médium, após o que, foi realizada a visualização terapêutica, toda ela ouvindo-se o Miserere, inspirado no salmo 51, de Gregório Allegri.
 
Na etapa final da oração, Divaldo leu a Oração de São Francisco, que se encontra no livro Transição Planetária, ditada pelo Espírito Manoel Philomeno de Miranda, enquanto Edith repetia-a em alemão, sendo encerrado o magnífico dia de ação espírita em Bonn.
 
No dia 22, pela manhã, às 9h30, iniciou-se o labor com a presença de 176 pessoas.
 
De maneira ímpar, houve a parte artística com a cooperação de Maurício Virgens e Warren Richardson, um tenor e um baixo, em dueto que levou às lágrimas o auditório.
 
Logo após Eric (em alemão) e Tereza (em português) foram os mestres de cerimônias apresentando os avisos e orando em alemão. Para a prece em português, fomos novamente convidado, embora sem mérito, e expressamos ao Senhor as emoções que a todos nos invadiram.
 
Passada a palavra a Divaldo e a Edith, foram abordados novos aspectos do amor, com as narrativas do nosso médium baiano, sempre muito amado pelo público, que o levou às lágrimas, estudando o mito de Narciso, a fim de o comparar com Mara (a paixão) do budismo e as ilusões que sobrecarregam a sociedade, desviando-a da ética e da moral. Diversos exemplos magistrais foram apresentados durante os dois módulos em cujo intervalo Divaldo atendeu ás pessoas, autografou livros e outros materiais de divulgação.
Após o almoço, iniciou-se a atividade, ouvindo-se Warren Richardson cantando o spiritual A Cabana, que a todos comoveu e foram respondidas as perguntas do público. Após o intervalo, foi realizada mais uma visualização, ouvindo–se o Miserere, de Allegri e uma peça ao piano por Flávio, quando foi encerrado o ágape com lágrimas e marcado o próximo evento para os dias 3 e 4 de junho de 2012.
 
Após as longas despedidas, retornamos a Mannheim com os amigos gaúchos.
 
MANNHEIM/ALEMANHA
 
No dia 23, às 11h, seguimos ao Centro Espírita de amigos de Allan Kardec de Mannheim, dirigido por Euda Kremmer, para um estudo do Evangelho. Éramos trinta pessoas, entre as quais os irmãos gaúchos, os espanhóis e alguns dos frequentadores habituais.
 
Depois da oração inicial Divaldo abriu O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, e leu a Parábola dos trabalhadores da última hora.
 
Curiosamente, quando a nova sede foi inaugurada por Divaldo, há alguns anos, o tema sorteado, portanto, aberto ao acaso, foi o mesmo.
 
O nosso médium leu o texto de Jesus, depois convidou os presentes a comentá-lo, o que foi muito agradável, ensejando a apresentação de considerações muito oportunas. Depois que vários se expressaram, Divaldo ofereceu-nos uma interpretação psicológica da parábola, sobre o ciúme dos trabalhadores das primeiras horas, a maneira de encarar a conduta de Jesus, que foi fiel à promessa e, evangelicamente, fez-nos o convite para realizarmos o melhor, conforme as considerações apresentadas por um Espírito protetor e Erasto  a respeito dos espíritas que se podem considerar como esses lidadores que chegaram à seara com atraso.
 
Realizadas as vibrações, foi encerrado o formoso momento e voltamos ao lar para o almoço.
 
Às 18h, seguimos ao Technomuseum,  o belo salão do museu de Tecnologia da cidade, onde Divaldo tem falado nos últimos seis anos, já que visita a cidade há nove anos, onde proferiu a conferência sobre o tema Vida: desafios e soluções, que lhe havia sido proposto pelos dirigentes.
 
Iniciando o labor com um Noturno de Chopin ao piano, Flávio a todos nos encantou.
A apresentação de Divaldo e de Edith foi feita em português e alemão, e a palavra foi-lhes passada.
 
Estavam presentes 130 pessoas, algumas de outras cidades e diversos países que vinham acompanhando-nos. O tema enriquecedor foi abordado com sabedoria, num estudo profundo em torno do célebre ponto de luz identificado pelo Dr. Vilayanur Ramachandran e outros neurocientistas americanos. Após 80 minutos de elucidações houve o intervalo e vieram as perguntas que foram respondidas com profundidade.
 
Divaldo foi aplaudido demoradamente pelo público de pé, o que é muito raro na Europa, tal a grandiosidade da sua mensagem.
 
Ao iniciar-se a segunda etapa, Warren, que veio especialmente de Bonn, cantou dois números para encantamento de todos.
 
Ao encerramento, todos nos encontrávamos infinitamente felizes.
 
MUNIQUE/ALEMANHA
 
No dia 24, pela manhã, rumamos a Munique no automóvel da Euda, durante 3h30.
 
A conferência teve lugar no mesmo auditório do ano passado, e jubilosamente pudemos receber 122 pessoas, demonstrando que o movimento espírita vem aumentando em Munique, sob os auspícios do Centro de Amigos Espíritas Allan Kardec. O tema proposto era Iluminação interior  e Divaldo o desenvolveu, como sempre, magistralmente, fazendo uma análise, conforme ocorrera antes noutra cidade, entre o mito de Narciso e a história de Buda, numa profunda reflexão sobre a ilusão (Maia) e o pedantismo (Narciso)... Ilustrou-a com as bases da Doutrina Espírita e narrou experiências pessoais que foram muito significativas, levando o público às lágrimas.
 
Após 70 minutos, houve a pausa habitual e, de imediato, atendeu as perguntas que foram propostas, respondendo-as de maneira rica de sabedoria.
 
Ao encerramento, houve o encontro de emoções e, novos convites para retornar a Munique e viajar pela primeira vez a Kitzduehl, no Tirol austríaco.
 
No dia 25, seguimos ao aeroporto e fomos surpreendidos pelo cancelamento do voo a Berlim, em razão da erupção vulcânica na Islândia, cujas cinzas avançaram na direção da Europa central.
 
Corremos à estação de trens e conseguimos lugares, pois que éramos trinta pessoas, demorando 6 horas e 40 minutos de viagem. Chegamos a Berlim, à hora quase da conferência, o que manteve Divaldo muito calmo.
 
Éramos esperados por amigos que nos conduziram ao hotel.
 
No pouco tempo de que dispúnhamos, preparamo-nos e, dentro de 50 minutos, seguimos à sede do Grupo de Estudos Espíritas Joanna de Ângelis, onde nos aguardava um público de 86 pessoas.
 
Iniciada a reunião com a apresentação da presidente Jocélia, logo a palavra foi passada a Divaldo e a Edith que abordaram o tema proposto Vida: desafios e soluções, de maneira cativante. Após 70 minutos deu-se a pausa e, logo após, foram atendidas as perguntas, abrindo-se espaço para uma visualização inspirada na obra Miserere, conforme sucedera em outras cidades, com grande emoção de todos.
 
Para a nossa surpresa, Jocélia referiu-se ao labor de Divaldo em Berlim, nos últimos 21 anos e concedeu-lhe um diploma de agradecimento, estendendo-o a Edith e a nós outro.
 
Todos ficamos profundamente sensibilizados.
 
AMSTERDÃ/HOLANDA
 
No 26, seguimos ao aeroporto e viajamos a Amsterdã, sendo recebidos pelo comandante Elias Nascimento, que tem sido o bondoso amigo de sempre, logo conduzindo-nos ao hotel.
 
Às 18h, fomos levados à sala do Mirror Centre, onde ocorreu a solenidade.
 
Estiveram presentes 128 pessoas e o tema proposto foi Superando a depressão, que Divaldo abordou com leveza e profundidade.
 
O auditório acompanhou-o em grande silêncio, diante da tradução ao holandês por Joyce, muito hábil, porque juramentada, deixando preciosas lições sobre saúde emocional e integral, assim como a libertação da depressão.
 
Após 70 minutos e a pausa convencional, foram atendidas as perguntas que o público apresentou e a reunião foi encerrada.
 

 
COPENHAGUE/DINAMARCA
 
No dia 27, seguimos a Copenhague, sendo recepcionados por Vera Palmgren, presidente do Grupo de Estudos Espíritas Allan Kardec, um dos responsáveis pelo evento, sendo o outro o Life Spiritist Society, havendo sido conduzidos ao hotel para um breve repouso e preparação para a atividade.
 
Às 18h, Vera conduziu-nos ao local muito belo onde teve lugar o evento, antes havendo um encontro de Divaldo com os tradutores ao dinamarquês.
 
Apresentado por Flávia, presidente do Life, Divaldo e Bo, o tradutor, iniciaram o trabalho, intitulado Depressão e transtorno obsessivo,  que reteve as 90 pessoas interessadas em entender o complexo problema desse distúrbio. Divaldo estudou a depressão do ponto de vista psicológico e psiquiátrico, passando, logo após 40 minutos, à análise do Espiritismo e à sua contribuição valiosa em torno da problemática, quando se refere à obsessão.
 
Muito aplaudidos, o orador e o tradutor, houve uma pausa para refrescos, café e chá, logo retornando para as respostas.
 
ESCANDINÁVIA
 
Em todas as cidades havia livros e material doutrinário de Divaldo, que os assinou em todos os intervalos, mantendo saudáveis diálogos com os interessados.
 
Para o evento, que é o 4º Encontro Espírita Escandinavo com Divaldo, vieram delegações de diversas cidades da Suécia e da Noruega, especialmente Eliane Dahr, Presidente da Federação Espírita da Suécia, Cristina, idem da Noruega.
 
Encerrada a atividade, retornamos ao hotel.
 
No dia 28, atendemos à programação do Encontro Espírita da Escandinávia, num seminário sobre o Centro Espírita, administração e compromissos espirituais.
 
Divaldo apresentou a tese em um trabalho teórico, numa narrativa histórica a respeito do primeiro Centro Espírita criado por Kardec, que foi a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, no seu próprio lar em abril de 1858, explicando o significado e a responsabilidade em torno desse núcleo de iluminação.
 
Através de Power-point, fez um estudo complexo em torno do Centro Espírita e encerrou a primeira parte com alta emoção de todos. Logo após o intervalo, Divaldo atendeu a 28 questões em torno do tema discutido, todas bem formuladas e melhor respondidas. Encerrou o evento com a apresentação do Miserere, que a todos comoveu e proferiu a prece final.
 
Todos, emocionados, alguns, até as lágrimas, agradeceram a oportunidade e ficou decidido que o próximo encontro será em Oslo, na Noruega, em 2012.
 
Retornamos ao hotel e, às 7h da manhã seguinte, seguimos ao aeroporto, a fim de tomarmos o voo com destino a Varsóvia.
 
Nilson de Souza Pereira.
Fonte: Presença Espírita – Encarte Especial – julho/agosto 2011.
Em 05.09.2011.
 
     
 
 
 
. Últimas Notícias

 
 
 
Documento sem título