. : Notícias
busca por notícias/mensagens
 
 
 
 

Trabalhadores da última hora – terceira parte


Luxemburgo

 

A seguir, viajamos de automóvel com Euda Kummer, Edith Burkhard, que encerrou as traduções ao alemão, os brasileiros do grupo, Dominique, Armandine, em direção à cidade de Elche Sur-Alzette, no Ducado de Luxemburgo, de chegamos realmente cansados e muito agradecidos  a Deus.

Aguardamos a chegada de Cláudia Bonmartin para as traduções nos países francófonos.

No dia 7, almoçamos todos no lar de Zelina em comovedora fraternidade com amigos de diversas cidades que vieram para participar dos labores do dia em Luxemburgo, a capital do Ducado.

Vieram, também, pessoas da Bélgica e, às 19h30, estavam presentes no auditório do Centre Culturel de Limpersberg, em Luxemburgo, 126 pessoas, inclusive Cláudia Bonmartin, que foi diretamente de Paris para o novo ciclo de atividades em países francófonos.

Após a apresentação de um número de piano por uma jovem do Centro de Estudos Espíritas Allan Kardec, de Luxemburgo, Zelina Leal, sua presidente, entreteceu considerações sobre o evento e procedeu à apresentação de Divaldo e de Cláudia, proferindo a oração de abertura.

Divaldo abordou o tema que foi estabelecido, Alegria de viver, fazendo uma análise oportuna dos transtornos de comportamento na sociedade de consumo, detendo-se em comentários em torno da depressão e apresentando as psicoterapias próprias para o encontro com o objetivo da vida, com a verdadeira razão de existir.

Demonstrou que é possível a alegria de viver, embora as dificuldades naturais da existência, considerando que, mesmo no sofrimento se pode estar bem, retirando as melhores lições que dele resultam.

Depois de 70 minutos, houve o habitual intervalo e foram feitas 12 perguntas, respondidas com objetividade e clareza.

A tradução ao francês de Cláudia foi, como sempre, muito feliz.

Terminado o labor, dirigimo-nos à sede do Centro onde foi servido um jantar para os brasileiros da nossa caravana, os convidados belgas e amigos da instituição.

 

Bruxelas – Bélgica

 

No dia 8, viajamos com Euda e o nosso grupo a Bruxelas, hospedando-nos na residência de Charles e Graça Pereira de Melo, com Edith, Cláudia e Euda.

Às 18 horas, rumamos com destino a Chapelle de Boondale, construída em 1472 e atualmente transformada em sala de eventos.

Estiveram presentes 82 pessoas, incluindo alguns amigos que vieram de Luxemburgo, do interior do país e os companheiros habituais.

Com tradução da Cláudia, Divaldo abordou o tema O despertar da consciência, estudando desde o momento em que a psique sofreu a fissão, dando lugar ao  ego e ao self. Num estudo dos níveis de consciência conforme Pedro Ouspenski, a abordagem foi baseada na questão 621 de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, quando o Codificador interroga aos benfeitores onde estava escrita a Lei de Deus e eles responderam na consciência.

Após uma pausa de vinte minutos, Divaldo atendeu a apenas 6 perguntas e o ato foi encerrado.

Era o momento das despedidas dos amigos do Rio Grande do Sul que deveriam retornar, no dia seguinte, bem como da Zelina e amigos de outras cidades, incluindo Euda Kummer e Edith Burkhard.

Encerrava-se uma etapa e logo se iniciaria outra.

 

Paris – Orly – França

 

No dia 9 pela manhã, conduzidos por Dominique e Armandine Dias rumamos a Paris de automóvel, num percurso de duração de 4 horas.

Hospedamo-nos na residência de João e Melina Rabelo Júnior, como das três vezes anteriores.

Às 18h, seguimos a Orly, num dos maiores engarrafamentos que já enfrentamos. A distância de 20 quilômetros tomou-nos duas horas, apesar da habilidade de José Manuel Dias que nos conduziu com o GPS. Chovia em Paris e arredores.

Estiveram presentes na Casa Espírita da Caridade, dirigida pela consóror Isaura, 48 pessoas e o tema proposto foi Os quatro gigantes da alma, que Divaldo desdobrou no estudo da rotina, ansiedade, medo e solidão. Tivemos a presença de dedicado confrade da cidade de Tours que, nos últimos anos viaja a Paris, exclusivamente para acompanhar a nossa jornada. Divaldo abordou ainda, as terapias para a vitória sobre esses flagelos, terminando com uma bela mensagem de coragem para todos.

Houve pequeno intervalo e foram apresentadas perguntas que receberam cuidadoso tratamento.

Cláudia Bonmartin encarregou-se da tradução ao francês.

No dia 10 pela manhã, permanecemos em atividades no lar. Às 18h, rumamos ao bairro de Saint Vincennes, à Associación Parisienne d´Études Spirites, para a conferência, cujo tema foi Construindo o homem de amanhã.

A sala da entidade encontrava-se repleta com 72 pessoas interessadas.

O ato foi aberto pela presidente da Associación, Anita Becquerel, que entreteceu considerações em torno do apedrejamento da sede, ato infeliz que se repete por segunda vez, o que causou um grande mal-estar. Compreende-se, porém, que a atitude agressiva partiu de jovens meliantes que antes tentaram roubar a instituição. Logo depois, Anita apresentou Divaldo e Cláudia, tendo início a conferência. Divaldo fez um estudo psicológico do homem moderno e apresentou a tese doutrinária do vir-a-ser e da contribuição valiosa para construção do ser biopsiquicoespiritual do futuro. Durante oitenta minutos de uma bem urdida mensagem o público manteve-se atento, culminando com a narrativa envolvendo o papa João Paulo II e o rabino judeu Meir Lau, a todos comovendo. Logo depois, foram propostas algumas perguntas respondidas com sabedoria e encerrado o ato.

No dia 11 pela manhã, saímos um pouco, com Armandine e Dominique, pela primeira vez, na estada francesa e logo retornamos para os compromissos doutrinários.

Às 18h30, rumamos ao FIAP Jean Monet para a apresentação da tradução do livro Sexo e destino, ao francês e a conferência sobre o mesmo tema.

Estavam presentes 60 pessoas, porque o trânsito fez-se impossível, considerando-se que, na área ocorreu também um jogo de futebol entre um país estrangeiro e a França, o que complicou demasiado. Nós mesmos, após estarmos, a apenas 2 quilômetros do FIAP, ficamos retidos durante uma hora em apenas um quilômetro.

Num clima de alegria e de reencontros com amigos de outras experiências, a reunião foi aberta por Anita Becquerel, presidente da Union Spirite Française et Francophone, que agradeceu a presença de todos e, após apresentar Divaldo e Cláudia, passou-lhes a palavra.

Com muita habilidade, Divaldo fez um estudo do ser humano à luz da psicanálise, recordando a estada de Freud em Paris, no ano de 1885, quando foi acompanhar as experiências de Charcot na Salpetrière, a respeito da hipnose.

Logo depois, recordou o diálogo do mestre vienense, quando de retorno à sua cidade natal com o Dr. Breuler, que ficara cuidando da Srta. Ana e conseguira recuperá-la. Em seguida, fez um estudo da psicologia junguiana, apresentando o sexo na sua função divina e reprodutora, chegando às perturbações emocionais e obsessivas que envolvem aqueles que se permitem as licenças morais, algumas criminosas como a pedofilia, explicando como surgiu o livro e como foi escrito. Concluiu, relacionando a irrupção da pedofilia no mundo, após publicada a obra que é um estudo sério e original sobre o tema.

Depois foram autografados livros e DVDs e encerrado o périplo em solo francês, com ternura e abraços afetuosos.

No dia 12, acompanhados por José Manuel e Manuela, Armandine e Dominque, João e Milena Rabelo fomos visitar os Jardins de Claude Monet, em Giverny, a 75 quilômetros de Paris, uma especial beleza, iniciada e mantida pelo célebre impressionista francês, onde passamos várias horas.

Retornamos ao lar, a fim de nos prepararmos para seguir à Inglaterra no dia seguinte, onde iríamos concluir a jornada.

No dia 13, pela manhã, despedimo-nos dos amigos parisienses, especialmente Armandine e Dominique, que se encarregam dos nossos livros, da confecção de CDs e DVDs na Europa, seguindo em TGV a Londres, numa viagem extraordinária sob o canal da Mancha com duração de 2h30.

 

Saint Pancras – Inglaterra

 

Em Saint Pancras, o terminal internacional, aguardava-nos Reinaldo Ávila, que nos conduziu ao hotel e, às 17h45 foi buscar-nos para levar-nos à palestra, que teve lugar nas dependências do Fraternity Spiritist Center, ante um público de 150 pessoas, abordando o tema A conquista da felicidade.

O público inesperado surpreendeu os organizadores que haviam alugado para a sala apenas 100 cadeiras e os convidados em excesso ficaram de pé e sentados no chão, em um belo espetáculo de fraternidade e simplicidade.

Divaldo fez um estudo a respeito do conceito de felicidade na filosofia grega, abordando os conceitos de Epicuro (hedonismo), Diógenes (cinismo), Zenão de Cício (estoicismo) e Sócrates (ética moral), culminando com Jesus e relacionando o amor preconizado pelo Mestre com a caridade na visão kardequiana.

Abordou a temática do amor, enriquecendo a conferência com admiráveis exemplos do cotidiano, quando o público lhe absorvia as palavras, na feliz tradução ao inglês por Ana Sinclair, excelente intérprete.

Ao encerrar, houve um demorado aplauso.

Foram lançadas as traduções ao inglês dos livros Conflitos existenciais, Constelação familiar, de autoria do Espírito Joanna de Ângelis, assim como Pássaros livres e Estesia, ditados pelo Espírito Rabindranath Tagore, um verdadeiro sucesso editorial.

Retornamos ao hotel com os amigos, a fim de nos prepararmos para a viagem a Dublin, na manhã seguinte.

 

Dublin – Irlanda

 

Às 7h45, rumamos ao aeroporto de Heathrou com Elsa Rossi, Ana Sinclair e Reinaldo Ávila para a primeira experiência na Irlanda, que nos facultava ouvir Divaldo falando sobre Espiritismo pela primeira vez naquela capital.

Anteriormente estivemos na Irlanda, quando Divaldo proferiu conferência numa cidade do interior do país e agora retornava para divulgar a mensagem na sua bela capital.

Chegando a Dublin, fomos recebidos pelos amigos que constituem o Grupo de Estudos Espíritas da Irlanda, que nos saudaram com muito carinho e nos conduziram de imediato ao Hotel Central, onde nos deveríamos hospedar e onde teria lugar a conferência que haviam elegido, cujo tema era A conquista da felicidade, que Divaldo abordara, às vésperas em Londres, para um público de 116 pessoas entre brasileiros e irlandeses.

Divaldo, com a tradução de Ana Sinclair, fez uma abordagem diferente, enfocando a filosofia ocidental em torno da felicidade, a contribuição valiosíssima de Jesus, através do código de ética do amor, avançando até o século XIX com a proposta do Espiritismo, que foi apresentada com riqueza de detalhes e culminando com a visão moderna da felicidade.

Depois de 80 minutos, ao encerrar foi aplaudido de pé e demoradamente.

Após o pequeno intervalo foram atendidas 9 perguntas e, depois, Divaldo atendeu as solicitações dos membros do grupo, orientando-os ao estudo sistematizado da Doutrina Espírita e aos cuidados com oradores espíritas portadores de ideias originais.

No encerramento, Divaldo foi obsequiado com um troféu, nós outro e Ana Sinclair também fomos lembrados, concluindo essa frutuosa experiência.

No dia 15 pela manhã, rumamos ao aeroporto tomando o avião de retorno a Londres, onde nos aguardava novo compromisso.

 

Kingston – Inglaterra

 

Chegando às 15h, às 17h rumamos a Kingston, cidade na periferia de Londres, a uma hora e meia distante do hotel, onde Divaldo abordou o tema A plenitude do amor.

Estavam presentes 54 pessoas – nesse dia o Brasil jogou contra a Coreia do Norte, o que impediu, certamente a presença de brasileiros – 95% inglês, na Kingston National Spiritualist Church, abordando o tema Plenitude do amor.

Divaldo fez uma análise do processo evolutivo desde os primórdios do surgimento do amor no ser primitivo até as culminâncias da aquisição da consciência objetiva ou cósmica, quando o amor alcança o mais sublime patamar.

Durante 70 minutos, nosso irmão apresentou a excelência do amor, com a tradução ao inglês de forma excelente por Ana Sinclair, dando um pequeno intervalo de 10 minutos, depois do qual atendeu a apenas duas perguntas.

A atividade esteve sob o patrocínio da The Blue Light Healing Circle.

No dia 16, saímos pela manhã para algumas emergências e, às 18h com Reinaldo seguimos à sala para a conferência intitulada Em busca da verdade.

O salão estava com aproximadamente 300 pessoas, incluindo o Dr. Power, eminente presidente da Associação de Psiquiatras da Inglaterra, que realizara anteriormente seminário com Divaldo e ficara seu amigo e admirador.

Divaldo abordou o tema de maneira feliz, demonstrando que a verdade é a imortalidade do ser, e através de vários estudos manteve o público em suspenso durante 70 minutos com a excelente tradução de Ana Sinclair, concluindo com a oração da gratidão, ditada pelo Espírito Amélia Rodrigues, de maneira comovedora.

Ao terminar, o aplauso de pé foi demorado.

Encerrava-se, naquele momento, a desafiadora tarefa empreendida há 43 dias sob as bênçãos dos Céus.

Louvamos e agradecemos ao Senhor de nossas vidas todas as bênçãos, que reconhecemos não merecer.

 

Nilson de Sousa Pereira

Presença Espírita julho/agosto 2010 – Encarte Especial.

Fim da terceira e última parte.

Em 31.01.2011.

 

 
     
 
 
 
. Últimas Notícias

 
 
 
Documento sem título